Em Rondônia, o público feminino também tem destaque entre os beneficiados pelo Programa Nossa Energia, que troca geladeiras antigas por modelos mais econômicos

Em Rondônia, as mulheres são as principais beneficiadas pela Tarifa Social. Do total de inscritos no cadastro no estado, 70% são representantes femininas. No Programa Nossa Energia – que troca geladeiras antigas por modelos mais econômicos para inscritos no cadastro de Tarifa Social de Energia Elétrica (TSEE), a prevalência se repete – cerca de 80% dos eletrodomésticos são destinados a mulheres.

Tanto a Tarifa Social de Energia Elétrica (TSEE) quanto o Programa de Eficiência Energética (PEE) estão previstos na regulação do setor elétrico. No caso do PEE, estão incluídas ações como a troca de geladeiras e de lâmpadas por modelos mais eficientes. O objetivo é reduzir o consumo de famílias de baixa renda. A iniciativa ajuda a enquadrá-las nas melhores faixas de desconto da Tarifa Social. Quanto menor o consumo, maior o desconto na conta.  

Em dois anos de atividade da Energisa em Rondônia, o número de inscritos na Tarifa Social passou de 31 mil para 83 mil. Kristiany Brilhante, coordenadora de recebíveis da empresa no estado, atribui o crescimento ao aumento na divulgação do benefício, em particular nas comunidades identificadas como mais carentes. “No dia a dia observamos que a maior parte dos que buscam informações são mulheres sem trabalho formal. Isso aumentou com o isolamento social durante a pandemia”, explica.  

Camila Teixeira Lopes, analista do Programa de Eficiência Energética (PEE) da Energisa em Rondônia e responsável pela operação do Programa Nossa, acredita que há uma predominância feminina em programas sociais porque esse público costuma se mostrar mais pró-ativo.

“Elas correm atrás, uma conta para a outra sobre o programa, ligam para as vizinhas quando chegamos nas comunidades. Formam uma rede de solidariedade que tenta se ajudar e, por isso, são a maioria. Além disso, em muitos casos, mesmo quando são casadas, as contas de energia estão no nome delas por causa do bom cadastro, do nome limpo, como se diz”, explica a analista.  

Para Maria Rosiane Barbosa de Oliveira, moradora do bairro Teixeirão, em Porto Velho, a Tarifa Social foi fundamental na organização do orçamento doméstico. Atualmente os ganhos vêm do trabalho como diarista e servente de pedreiro. “Minha renda não é fixa, depende de quando tem serviço ou não. Tenho procurado algo fixo, mas está difícil para encontrar”.  

A troca da antiga geladeira, em novembro do ano passado, dentro do programa Nossa Energia, ajudou a reduzir as despesas. “Eu já percebi uma boa redução na conta de energia com a nova geladeira e com as orientações que me deram para diminuir o uso da energia. Toda forma de economizar, me ajuda muito no fim do mês”.  

Passo a passo para o cadastro

 O cliente titular deve entrar em contato com a concessionária através do 0800 647 0120 ou ir até uma agência de atendimento para se cadastrar na Tarifa Social. O interessado deve apresentar o CPF, RG ou um outro documento de identificação oficial com foto. No caso dos indígenas, é preciso levar o RANI.

É necessário informar o código da unidade consumidora a ser beneficiada, o Número de Identificação Social (NIS) ou, no caso de recebimento do Benefício de Prestação Continuada – BPC, o Número do Benefício – NB, além do relatório e atestado médico.