Trajetória da empresa é marcada por investimentos robustos em infraestrutura, programas inovadores de fornecimento de energia elétrica e apoio a projetos sociais

Imagine depender somente da água da chuva para irrigar uma plantação de 800 hectares. Até o início deste ano, essa era a realidade do Leonardo Airton Dall’Agnol, proprietário da Agrogrande, especializada em cultivo de grãos. Localizada a 80 quilômetros da capital Campo Grande, a empresa hoje tem um amplo sistema de irrigação automatizada com o apoio da Energisa Mato Grosso do Sul, que realizou obras de infraestrutura para reforçar a capacidade energética da região.

“Agora eu vou conseguir produzir inclusive nos períodos de estiagem. Antes eu só tinha uma safra de soja e milho por ano, mas com o pleno funcionamento do novo sistema de irrigação, acredito no aumento de 40% da produção. Já estamos pensando em ampliar o cultivo com plantação de feijão e arroz. A atuação da Energisa para suprir o aumento da demanda de energia foi fundamental para o nosso desenvolvimento”, comemora Dall’Agnol.

Uma das missões da companhia é contribuir com o crescimento do Estado e o agronegócio tem um importante papel nesse processo. Em 2018, a Energisa iniciou um programa de estruturação das redes rurais e aumentou em 27% os investimentos em novas subestações nessas regiões, assim como reforçou a manutenção estruturante das redes existentes.

Legado para a população sul-mato-grossense

Esse é apenas um exemplo dos resultados gerados pelos investimentos na rede elétrica de todo o Estado feitos pela Energisa. Ao longo dos sete anos de concessão, a companhia já injetou mais de R$ 1,8 bilhão em obras de infraestrutura que beneficiam todos os 74 municípios atendidos. Destaca-se a construção de aproximadamente 100 quilômetros de linhas e cinco novas subestações, obras de ampliação e modernização das subestações existentes, aumentando em 20% a potência disponível para atendimento, além da renovação e modernização de toda a frota de veículos e melhoria nas agências de atendimento.

“Estamos há três anos consecutivos entre as melhores concessionárias do Brasil no ranking de distribuição da Agência Nacional de Energia Elétrica. Nossa dedicação se reflete na expressiva melhoria da qualidade do fornecimento de energia para a população. Prova disso é a redução de 22% da média de horas que o cliente ficou sem luz (indicador FEC) e queda de 41% do número de vezes que o fornecimento foi interrompido (indicador DEC)”, comenta Marcelo Vinhaes, diretor-presidente da Energisa Mato Grosso do Sul.

Outro destaque é o Programa de Eficiência Energética (PEE), que tem como objetivo promover o uso eficiente e seguro da energia elétrica por meio de projetos que gerem economia para diversos setores da sociedade com a adoção de novas tecnologias, processos e usos. Desde 2014, a Energisa já investiu R$ 71 milhões somente neste programa. Foram contemplados projetos de Iluminação Pública em cidades do interior e também em pontos emblemáticos de Campo Grande como no Parque das Nações Indígenas, Parque dos Poderes, além de obras de eficiência energética no Palácio Popular da Cultura, na Associação da Feira Central Cultural e Turística de Campo Grande/MS AFECETUR e Hospitais filantrópicos. Para 2021, estão previstos mais R$ 8,55 milhões em obras do PEE.

Abastecimento de energia chega ao Pantanal

Um grande passo que irá marcar a história da atuação da Energisa no Mato Grosso do Sul é a implementação de um projeto audacioso, em parceria com o Governo do Estado, que levará energia elétrica à população residente do Pantanal, que atualmente não conta com o serviço. A partir de julho, a maioria das unidades consumidoras atendidas terão instalados microssistemas de geração solar fotovoltaica e armazenamento da energia excedente em baterias. Dessa forma, o fornecimento de energia limpa e ininterrupta aos clientes fica garantido mesmo durante a noite e em dias chuvosos ou nublados, quando há pouca incidência da luz solar. A companhia está investindo R$ 134 milhões no projeto “Ilumina Pantanal”.

Ao todo, 2.167 unidades consumidoras serão beneficiadas pelo projeto até 2022, o que representa em torno de 5 mil habitantes, espalhados por uma área de 90 mil km², nos municípios de Corumbá, Aquidauana, Coxim, Ladário, Porto Murtinho, Rio Verde e Miranda. Desse grupo, 77 famílias já foram atendidas por rede de distribuição convencional, e agora 2.090 serão atendidos por sistemas individuais cuja fonte de energia é solar.

“Queremos universalizar o acesso à energia numa região tão importante para o desenvolvimento sustentável brasileiro. Para alcançar este objetivo, aliamos inovação e sustentabilidade, criando uma solução pioneira que vai contribuir para a melhoria da qualidade de vida da população local e o crescimento socioeconômico do Pantanal, preservando a fauna e a flora do bioma”, afirma Vinhaes.

Apoio a projetos sociais

A chegada da Energisa ao Estado também veio acompanhada de patrocínio e apoio a diversas iniciativas que valorizam o desenvolvimento socioeconômico, ambiental e cultural da região. No total, mais de 30 ações e projetos já contaram com o apoio da empresa nos últimos anos, impactando a vida de centenas de pessoas. Festivais, exposições, fundações, entre outras iniciativas, são contempladas todos os anos pela empresa, sendo uma forma de a companhia estar mais próxima da sociedade e entender as suas necessidades.

Especialmente em 2020, em paralelo ao apoio a outros projetos, a Energisa liderou o Movimento Energia do Bem, junto com 12 parceiros estratégicos. A iniciativa tem como objetivo viabilizar ações emergenciais que ajudem a população a superar a crise humanitária provocada pela pandemia de Covid-19.

Em Mato Grosso do Sul, a concessionária doou R$ 300 mil, que foram distribuídos para compra de itens de higiene e limpeza, de alimentos não perecíveis, fabricação de máscaras de proteção individual, e transporte e calibração de ventiladores pulmonares. Entre as ações, destaca-se a produção de 65 mil máscaras, 100% algodão, que foram destinadas aos idosos e indígenas do município de Dourados, e aos indígenas das cidades de Miranda e Aquidauana.

Apoio aos animais do Pantanal

No ano passado, quando milhares de animais perderam a vida durante os incêndios do Pantanal, o Grupo Energisa doou R$ 200 mil para instituições que atuam na preservação do bioma, adquirirem cerca de 20 toneladas de alimentos espécies que conseguiram resistir, entretanto, ainda sofriam com a escassez de alimentos.

Além do montante, a empresa também doou combustível para o Instituto Homem Pantaneiro, do Mato Grosso do Sul, e o grupo de voluntários É O Bicho MT, de Mato Grosso. Em Mato Grosso do Sul, a ação se concentrou na Serra do Amolar, em Corumbá, que teve cerca de 70% da área queimada, mas que ainda serve de refúgio aos animais que fugiram de outras áreas por concentrar algumas lagoas.

Energisa integra Unidos pela Vacina e disponibiliza R$ 2 milhões em equipamentos para conservação de imunizantes

A Energisa, maior grupo privado de capital nacional do setor elétrico, passou a integrar o Unidos pela Vacina, movimento da sociedade civil que reúne lideranças empresariais e entidades do setor privado com o objetivo tornar viável a vacinação de todos os brasileiros até setembro deste ano.

No fim de abril aconteceu o lançamento oficial do Movimento Unidos pela Vacina em Mato Grosso do Sul, liderado pela Energisa e a Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso do Sul (FIEMS). O evento foi realizado na Casa da Indústria, em Campo Grande, seguindo os protocolos de biossegurança, e contou com a presença física e virtual de representantes de diversas empresas, inclusive a Luiza Trajano, uma das idealizadoras do movimento.

Além de disponibilizar R$ 320,4 mil em equipamentos com eficiência energética para conservação de vacinas, a Energisa também assume a responsabilidade de articular e impulsionar outras iniciativas, como doações, para que a população sul-mato-grossense tenha as condições estruturais de ser imunizada neste prazo.