370 jovens são beneficiados pela instituição que tem transformado a vida de pessoas da região

A Energisa Sergipe apoia desde 2020 a Sociedade Filarmônica Nossa Senhora da Conceição, instituição que oferece aulas de iniciação musical, prática de conjunto em orquestras, bandas, grupo de violão, flauta doce, piano e percussão a moradores do Agreste Sergipano. Participam do projeto 370 jovens, dentre os quais alguns que tiveram sua vida transformada pela iniciativa.

“Comecei com o violino: aprendi a tocar do zero. Faz um mês que me tornei monitor”, disse Yan Alves Oliveira, morador de Itabaiana que há cinco anos participa da Filarmônica e, agora, é um dos monitores do projeto. “Eu sinto que esta instituição agrega muito valor não só para a cidade, como também ajuda a sociedade como um todo. Temos crianças à mercê da sociedade. Com um projeto como este, a gente consegue tirar essas crianças da rua e oferecer um caminho melhor”.

A Filarmônica Nossa Senhora da Conceição atende a moradores de Itabaiana, Moita Bonita, Ribeirópolis e Macambira. O apoio da Energisa, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, é aplicado no pagamento de professores, monitores e bolsistas. Laedson dos Santos, que dá aulas de violão e trabalha na luteria, espaço para a manutenção, reforma e construção de instrumentos de arcos e cordas usados pelos alunos, abandonou a faculdade para se dedicas à música depois que o projeto começou.

“Minha vida mudou totalmente com este projeto. Quando entrei aqui comecei a viver música o tempo todo. Fazia Engenharia Mecânica e deixei a faculdade para me aperfeiçoar cada vez mais na música”, conta Laedson.

O diretor-presidente da Energisa Sergipe, Roberto Currais, destaca que a companhia apoia manifestações artísticas, produções culturais e projetos socioambientais no Estado. “A Orquestra Filarmônica de Itabaiana tem um papel fundamental na mudança de vida desses jovens que estudam música. Por acreditar nessa transformação e apoio a cidade de Itabaiana que contribuímos com a sustentabilidade deste projeto”, justifica o executivo.