Ricardo Botelho foi eleito uma das 500 pessoas mais influentes da América Latina da Bloomberg Línea, que inclui personalidades do Brasil, Argentina, México e Colômbia

O presidente do Grupo Energisa, Ricardo Perez Botelho, está na lista das 500 pessoas mais influentes da América Latina, elaborada pela Bloomberg Línea, plataforma de notícias de economia e negócios dedicada à América Latina que faz parte do conglomerado midiático dos Estados Unidos.

Segundo a Bloomberg Línea, as pessoas que compõem a lista “estão criando valor em seus setores e ajudando a levar a região à recuperação e ao retorno da normalidade”, após mais de um ano e meio de pandemia e medidas restritivas aos países latino-americanos. “São lideranças inspiradoras e resilientes que dão exemplo e que levam com orgulho o melhor da América Latina para o mundo”, prosseguiu a plataforma de notícias.

Foram eleitas personalidades do Brasil, Argentina, México e Colômbia. Os repórteres e editores da Bloomberg Línea levaram em consideração conceito como criação de empregos, atividades para enfrentar a pandemia, projetos inovadores e bem-sucedidos, influência no apoio a iniciativas filantrópicas e na condução de políticas públicas de recuperação.

Não há posição definida: a lista não é um ranking, apenas agrupa pessoas que geram valor. Do setor de energia apenas doze pessoas foram eleitas pela equipe da Bloomberg Línea.

O engenheiro Ricardo Botelho preside o Grupo Energisa desde 2010, tendo ingressado na companhia 10 anos antes.

O ESG é sobre mirar causas impossíveis e torná-las reais

Em recente entrevista à Exame, Botelho destacou a importância de ações que levem cidadania e reduzam as emissões de CO2 na Amazônia Legal. O executivo lembrou que, apesar das dificuldades trazidas pela pandemia e da complexidade logística para a execução de projetos em locais remotos e de difícil acesso, a companhia está entregando os projetos planejados para 2021. 

Assim, a companhia contribui com o fornecimento de energia de qualidade, além de valorizar a cidadania da população e reduzir as emissões de CO2 na região amazônica.

Iniciativas como as que têm sido colocadas em prática na Amazônia Legal, explicou Botelho, reforçam o compromisso da companhia com o conceito ESG – sigla em inglês para os temas ambientaissociais e de governança na esfera empresarial.