Investimento em tecnologia ajuda a reduzir perdas causadas por “gatos” e fraudes na rede elétrica.

Na Energisa, a tecnologia tem sido uma aliada relevante no trabalho de fiscalização de fraudes e furtos de energia. Além das irregularidades comprovadas nas inspeções presenciais, o monitoramento do comportamento do consumidor também é feito com a ajuda de supercomputadores.

Uma das ferramentas que faz parte desse trabalho é a inteligência artificial (IA). Programas desenvolvidos pela Energisa permitem simular o comportamento de consumo do cliente e calcular quanto de energia ele teria consumido sem algum tipo de desvio. Ou seja, a distribuidora consegue cobrar retroativamente quem deixou de pagar a energia que utilizou. Esse consumo entra no cálculo como “energia recuperada”, conforme regras da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que regula o setor. Não é multa, mas cobrança do que foi consumido e não foi pago.

Outro apoio importante dessa frente de trabalho vem dos Centros de Inteligência de Combate a Perdas (chamados de Cicop) espalhados pelo Brasil. Rondônia é um dos estados que conta com essa unidade operacional. No local, engenheiros trabalham com tecnologias, como a IA, responsáveis por gerar dados que mostram o comportamento do cliente ao longo do tempo.

Qualquer alteração no padrão de consumo gera um alerta para que se busque algum tipo de justificativa – por exemplo, uma conta menor durante o período de férias. Se não for encontrada uma explicação para a redução brusca de consumo, o cliente poderá ser fiscalizado pela Energisa.

“Pego a lista do Cicop e distribuo para time de execução. Isso significa ir a campo com mais inteligência e assertividade e com menos força para ter resultados melhores”, explica Alécio Leite, 35 anos, engenheiro eletricista, com pós-graduação em sistema elétrico de potência, que acaba de assumir o cargo de gerente de Combate a Perdas da Energisa em Rondônia.

Se na inspeção não é encontrada alguma irregularidade na unidade consumidora, os colaboradores da Energisa fazem a chamada “fiscalização 360 graus” em busca de uma anormalidade no entorno do endereço. Pode ser, por exemplo, uma alteração no circuito ou no transformador.

Blindagem evita reincidência

Quando o problema é identificado, o consumidor sofre uma espécie de blindagem para que não tenha mais acesso à medição do consumo e assim não seja reincidente. Soluções patenteadas pela Energisa interrompem as ligações clandestinas, os chamados “gatos”, o que dificulta o acesso do cliente fraudador ao medidor ou ao ramal de energia. Hoje, são usadas pela Energisa soluções como a caixa-tanque, o dispositivo de lacre do compartimento do borne do medidor de energia e a trava em L, com regulagem.

Há quem acredite que o furto de energia é uma falta menor, mas não é o que defende o gerente da Energisa. Categórico, Leite compara: “O furto de energia é como qualquer outro furto. Infelizmente, parte da população não tem esse entendimento e faz vista grossa para a ação de vizinhos e empresas que prejudica toda a comunidade, e os cofres públicos, que deixam de arrecadar impostos”.

A meta de Rondônia, apontada como a mais elevada entre todos os estados operados pela empresa de distribuição de energia, é reduzir as atuais perdas de energia, de 27,56%, para 24,29%. Esse tipo de esforço da empresa de reduzir esse número é compromisso regulatório firmado no contrato de concessão e tem a ver com os impactos que as perdas geram na vida dos clientes adimplentes e nos cofres públicos.

Além do apoio tecnológico, Leite e sua equipe de 254 funcionários vão intensificar a fiscalização de “gatos” e as fraudes que tentam manipular os dados de leitura do medidor (ou relógio).

Ao contrário do que muitos imaginam, a renda familiar não é motivação para a prática desse tipo de crime. Infrações ligadas ao abastecimento de energia ocorrem tanto nas periferias do país quanto nos condomínios de luxo. O mesmo raciocínio se aplica ao uso irregular nas atividades empresariais – vão do pequeno comércio à grande indústria.

Para executar a tarefa, o novo gerente, que ocupa o cargo desde 14 de janeiro, traz na bagagem 16 anos de experiência no setor de energia e o know-how acumulado no tempo que ocupou a mesma função na Energisa de Mato Grosso do Sul.

“Essa é uma área apaixonante, mas toda mudança traz desafios, como conhecer as pessoas e os novos processos”, explica o gerente. Apesar da experiência, o cumprimento do plano de negócio será o maior dos desafios. Para reduzir em cerca de 3 pontos percentuais as perdas de energia, será preciso aumentar as inspeções de rotina.

Concorrência desleal

O gerente dá como exemplo o furto de energia cometido por um pequeno comércio, para quem, em situação normal, o custo com esse insumo pode ter um peso significativo nas despesas totais do negócio.

“Imagine que esse comerciante, que dribla o fornecimento de energia, tem um freezer. Claro que ele vai conseguir vender seus produtos a um preço bem menor do que aquele concorrente que não comete irregularidades. Vale lembrar que essa perda é rateada entre os clientes que pagam direito, por isso é importante denunciar”, detalha Leite.

Não é só a falta de pagamento que pesa nesse tipo de trabalho. Outro ponto de atenção dos técnicos que vão a campo é a segurança. A ligação clandestina, como explica o gerente da Energisa, traz riscos à toda a comunidade. Pode acontecer, por exemplo, de uma criança encostar em um fio manuseado pelo infrator e acontecer um grave acidente.Neste ano, a meta em Rondônia é executar 170 mil inspeções e, a partir daí, chegar a 90 mil regularizações.  “Além do trabalho de campo, a Energisa também conta com a ajuda dos clientes, que podem denunciar de forma anônima algum tipo de crime ligado ao uso de energia”, diz o gerente. A denúncia pode ser feita pelo telefone 0800 6470120, pelo site da companhia ou diretamente nas lojas físicas. “Furto de energia é crime e o crime não compensa”, reforça.