Projetos Ilumina Pantanal e Vila Restauração ganharam destaque no pavilhão do Brasil, que tem a maior delegação da COP26

Os corredores da COP26, a Conferência do Clima da ONU que está sendo realizada em Glasgow, na Escócia, ficaram lotados nesta terça-feira, 9. A chegada dos ministros de Estado ao evento, um dia antes, elevou o nível das discussões e a movimentação nos bastidores. Essa é a semana decisiva da conferência, que termina na próxima sexta-feira. 

No pavilhão brasileiro, conseguir uma cadeira era quase impossível. Foi nesse contexto de ebulição que a Energisa apresentou os projetos Ilumina Pantanal e Vila Restauração, no Acre, para os participantes da conferência climática. A apresentação chamou atenção pelo alinhamento com a pauta da COP26, muito voltada para o desenvolvimento de soluções para a transição energética e para a pauta social. 

A conferência está sendo chamada de “a COP da ação”. Para além das negociações entre os países, cuja pauta gira em torno da regulamentação dos artigos do Acordo de Paris, há uma grande participação do setor privado e da sociedade civil. A demanda é por medidas concretas de redução das emissões de gases de efeito estufa e soluções que sejam viáveis financeiramente e socialmente. A palavra de ordem é justiça climática. 

Os projetos da Energisa se encaixam nesses requisitos. O Ilumina Pantanal irá levar energia limpa para comunidades ribeirinhas e de difícil acesso. Para isso, a Energisa desenvolveu um sistema de painéis solares e bateria, que funciona de maneira autônoma. Essa inovação irá fornecer luz contínua para mais de 2 mil unidades consumidoras, o que representa em torno de 5 mil pessoas. 

“A complexidade do bioma Pantanal torna difícil levar infraestrutura para as pessoas que habitam a região”, afirmou Heber Henrique Selvo, gerente do projeto Ilumina Pantanal. “Para eles, o Ilumina Pantanal representa o direito de optar por uma vida com mais conforto, como o de ter uma geladeira e não precisar se preocupar em pescar ou caçar o alimento todos os dias.” 

Na Vila Restauração, as cerca de 200 famílias na Reserva Extrativista do Alto Juruá, próximo ao Peru, só tinham luz a diesel por três horas diárias. A população agora tem energia limpa por 24 horas. “Quando a energia chega, a vida se transforma”, disse José Eduardo Pereira da Silva, gerente do projeto Vila Restauração.

Carta pelo clima 

Além de apresentar soluções, a Energisa assinou uma carta, com mais de 100 empresas, que pede urgência na caminhada para uma economia de baixo carbono. O documento foi entregue ao presidente da COP26, o britânico Alok Sharma. A iniciativa foi encabeçada pelo grupo Empresários pelo Clima, organizado pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS). 

Assista aqui a apresentação dos projetos.