Segundo a Anfavea, associação que representa as montadoras, os brasileiros compraram 1,5 mil veículos elétricos de janeiro a setembro

De janeiro a setembro foram comercializados no Brasil 1.544 veículos elétricos, segundo dados da Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), que apontam crescimento de 83% sobre as 842 unidades vendidas no mesmo período de 2020. Deste volume 1.423 foram automóveis e 121 foram caminhões elétricos.

Ainda foram vendidos 22.730 modelos híbridos, aqueles que são movimentados por um motor elétrico com auxílio dos tradicionais propulsores a combustão, alimentados por gasolina ou etanol. As vendas de híbridos cresceram 20% de janeiro a setembro com relação aos nove primeiros meses do ano passado.

Mas quais são as diferenças entre os chamados veículos eletrificados, que contam com auxílio de motor e bateria?

HEV – Veículo Híbrido Elétrico

Os veículos híbridos reduzem a emissão de CO2 na atmosfera por combinar a propulsão com motores elétricos e a combustão. Até determinada velocidade rodam apenas com o elétrico; passado este limite, o motor a combustão começa a funcionar.

Além dos dois motores conta com uma bateria, que é recarregada tanto pelo motor elétrico quanto na frenagem, graças ao KERS, sistema de recuperação de energia cinética.

Por se tratar de uma tecnologia mais antiga, é o tipo de veículo a bateria mais popular nas ruas. No Brasil existem veículos híbridos flex, que podem ser abastecidos também com etanol.

BEV – Veículo Elétrico a Bateria

Estes são considerados os veículos 100% elétricos: funcionam somente com um, ou mais, motores elétricos que são alimentados pela bateria. Esta é recarregada na rede elétrica, por meio de recarregadores rápidos, ultrarrápidos e até em tomadas comuns, dependendo do modelo. Também fazem uso do KERS, que ajuda a aumentar a autonomia em grandes cidades, por exemplo, onde o tráfego tem mais paradas.

Não emitem nenhum gás poluente, não possuem escapamento e são, atualmente, os veículos mais baratos no uso, pois o custo da energia elétrica é bem menor do que o dos combustíveis líquidos, como etanol, gasolina ou diesel. Os preços mais elevados destes modelos, porém, ainda impedem sua maior adoção no Brasil.

Costumam dizer por aí que a autonomia é um impeditivo para os carros elétricos, pois não há estrutura de recarga adequada nas estradas. Atualmente, porém, eles são capazes de rodar mais de 300 quilômetros com a mesma carga – mais quilômetros do que a média percorrida por um usuário brasileiro durante uma semana.

PHEV – Veículo Híbrido Plug-in

Os veículos híbridos plug-in são uma mistura dos HEV com os BEV: possuem motor a combustão, motor elétrico e baterias que podem ser recarregadas na tomada.

A diferença deles para os híbridos comuns, além do recarregamento por cabo, é que o motor a combustão é uma espécie de extensor de autonomia: quando acaba a bateria ele é acionado e o veículo passa a consumir o combustível líquido, gasolina ou etanol.

Uma solução para quem precisa de mais autonomia, ou por morar em uma cidade ou trabalhar em outra, ou por pretender fazer longas viagens e não encontrar estrutura de recarga no percurso.